10 das cidades mais devastadas pela guerra na história

Embora sejam necessárias décadas – às vezes até séculos – de esforço e recursos para construir e povoar uma cidade próspera, tudo isso pode ser eliminado com apenas alguns dias de guerra. Ainda hoje, assentamentos densamente povoados são deliberada e sistematicamente visados ​​como uma estratégia de guerra amplamente praticada, muitas vezes resultando na destruição quase total de seus legados culturais e históricos.

10. Saint-Lo, França

O cerco de Saint-Lo na França foi uma das batalhas cruciais da Segunda Guerra Mundial, travada entre os Aliados e as forças de ocupação alemãs no verão de 1944. Foi parte da maior Batalha da Normandia, já que Saint-Lo foi um importante centro de transporte para as forças aliadas que desembarcam na praia da Normandia.

Enquanto a batalha real começou quando as forças americanas entraram na cidade em Julhofoi submetido a um enorme campanha de bombardeio nas semanas que antecederam o ataque, resultando na destruição completa de grande parte de sua infraestrutura. Várias pontes e linhas ferroviárias foram permanentemente destruídas durante o cerco, com grande parte de sua população civil forçada a fugir da região.

Embora tenha sido uma operação bem-sucedida do ponto de vista militar – uma das primeiras grandes derrotas alemãs na frente ocidental – o bombardeio e a destruição de Saint-Lo ainda são lembrados como uma decisão controversa dos Aliados. No final da guerra, as campanhas de bombardeio dos Aliados ceifaram a vida de pelo menos 8.000 normandos e mais de 60.000 civis franceses em outras regiões ocupadas.

9. Grozny, Rússia

O cerco e eventual batalha de Grozny foi um dos episódios mais sombrios da Segunda Guerra da Chechênia. A partir de 1999, as forças russas iniciaram um ataque em grande escala à capital chechena, que então se tornou o reduto da autodeclarada República Chechena da Ichkeria. A cidade foi amplamente bombardeada nos meses que antecederam o ataque, quando as forças russas impuseram um bloqueio e submeteram militantes e civis a uma implacável campanha de bombardeio aéreo.

Embora tenham enfrentado forte resistência quando finalmente entraram na cidade em fevereiro de 2000, a cidade acabou sendo invadida e a maioria dos militantes foi forçada a fugir. A própria Grozny foi deixada em ruínas, na medida em que a ONU a declarou a “mais destruído cidade na Terra’. Além da destruição total da infra-estrutura crítica, muitas áreas civis também foram devastadas e levariam anos até que pudessem ser completamente reconstruídas. De acordo com alguns grupos de direitos humanos, até 25.000 civis perderam suas vidas na campanha de dois meses.

8. Rovaniemi, Finlândia

Com o início da Segunda Guerra Mundial, a Finlândia se viu em uma posição precária, pois travava sua própria guerra contra a União Soviética, agora conhecida como Guerra de Inverno. Em novembro de 1941, assinou o Pacto Anti-Comintern com outras potências do Eixo, entregando efetivamente a parte mais ao norte do país às forças fascistas. Isso resultou no surgimento rápido de bases alemãs em toda a região da Lapônia, especialmente na capital Rovaniemi e nos arredores. À medida que a guerra avançava, os alemães se entrincheiraram cada vez mais na cidade, construindo fortificações, aeródromos e outras instalações defensivas.

Claro, a situação havia mudado drasticamente em 1944, quando as forças soviéticas avançadas exigiram que o país expulsasse os alemães ou arriscasse travar outra guerra com a URSS. A Finlândia obedeceu e deu ordem para expulsar todas as unidades do Eixo em outubro de 1944. Enquanto recuavam, no entanto, as forças alemãs decidiram devastar toda a cidade e sua infraestrutura, destruindo mais de 90% disso nas próximas semanas. Isso incluiu a destruição de instalações críticas e todas as instalações militares da cidade, juntamente com a maioria dos bairros residenciais da cidade.

7. Palmira, Síria

Palmira, também chamada de “Veneza das Areias“, é uma cidade antiga na atual Síria que já serviu como um importante centro comercial entre o Mediterrâneo e o Oriente. Sua mistura única de romano, grego e persa influências tornou um importante local histórico e cultural da região, já que a cidade abrigava muitos artefatos bem preservados, templos, túmulos e esculturas antigas.

Infelizmente, muito desse legado teria um fim trágico em 2015, quando militantes do ISIS capturaram Palmyra e iniciaram uma campanha de destruição total. Eles visaram e destruíram sistematicamente a maior parte do patrimônio histórico da cidade, incluindo o Templo de Bel e o Arco do Triunfo Romano. Eles também executaram vários cidadãos de Palmyra, incluindo a decapitação brutal do principal arqueólogo da cidade, Khaled al-Asaadque dedicou sua vida ao estudo e preservação do local.

6. Magdeburgo, Alemanha

A Guerra dos Trinta Anos foi uma das mais longas e destrutivo conflitos travados em solo europeu, que duraram de 1618 a 1648. Foi combatido principalmente pelo Sacro Império Romano, República Holandesa, Espanha, Dinamarca, Suécia e Alemanha, embora o conflito envolvesse toda a Europa de alguma forma. Foi desencadeada por uma combinação de fatores políticos, sociais e econômicos, especialmente a crescente divisão entre católicos e protestantes na época.

Um de seus eventos mais infames foi o saque de Magdeburg – uma cidade protestante no que hoje é a Alemanha – após um longo cerco que terminou em 20 de maio de 1631. Foi um massacre indiscriminado, pois as forças da coalizão católica incendiaram a cidade e mataram mais de 20.000 pessoas. A infra-estrutura foi quase totalmente destruída, com cerca de 1.700 de 1.900 prédios da cidade queimados ou destruídos. A devastação foi tão grande que em 1639, apenas 450 residentes permaneceram na cidade, abaixo de uma população total de mais de 25.000. Levaria mais dois séculos antes que Magdeburg pudesse se recuperar e crescer novamente.

5. Pyongyang, Coreia do Norte

O bombardeio de Pyongyang na Coréia começou em junho de 1950, quando ficou cada vez mais claro que as forças norte-coreanas estavam prestes a atacar a cidade. Como medida preventiva, as forças da ONU – lideradas pelos contingentes dos EUA e da Coreia do Sul – lançaram um total de 420.000 bombas em uma cidade de cerca de 400.000 habitantes, incluindo quase 32.000 toneladas de napalm.

Os danos foram tão extensos que, no final da guerra, apenas alguns edifícios permaneceram de pé. Cerca de 75% de Pyongyang foi destruído durante a campanha de bombardeio, incluindo fábricas, hospitais, escolas, prédios do governo, bairros residenciais e até barragens hidrelétricas e de irrigação nos estágios posteriores da guerra. De acordo com o relato de um jornalista, a cidade ficou sem alvos militares para atacar em poucos dias, pois as forças da coalizão haviam bombardeado “cada tijolo em pé sobre o outro.”

4. Ypres, Bélgica

A Bélgica foi palco de extensos combates durante a Primeira Guerra Mundial, quando as forças alemãs invadiram e ocuparam o país nos primeiros anos do conflito. A cidade de Ypres, localizada no oeste da Bélgica, assistiu a alguns dos combates mais intensos da frente, pois era um ponto-chave estratégico local durante a guerra. A primeira grande batalha para controlar Ypres foi travada no outono de 1914, e a cidade foi posteriormente atacada e fortemente bombardeada em várias ocasiões.

No final de tudo, Ypres estava quase completamente destruído, com algumas de suas estruturas mais icônicas deixadas em ruínas. Isso incluiu o salão de pano – um centro da vida econômica da cidade desde o século 13 – e a histórica Catedral de St. Martin, juntamente com inúmeras outras igrejas e locais culturais. Embora agora seja um ponto turístico e cultural popular na Bélgica, levaria muitos anos até que Ypres pudesse ser totalmente restaurado em seu estilo arquitetônico original após a guerra.

3. Bagdá, Iraque

Bagdá foi um importante centro cultural, intelectual e econômico durante a Era de Ouro do Islã, que começou com o estabelecimento do califado abássida no século VIII. Era um importante centro de comércio, aprendizado e erudição religiosa, e abrigava talvez o maior biblioteca no mundo na época – a Casa da Sabedoria.

Embora a cidade tenha tido uma grande corrida por um tempo, infelizmente foi invadida pelos mongóis em 1258, o que teria um impacto significativo na região e além. O saque de Bagdá resultou em destruição e morte generalizadas, já que a cidade foi sistematicamente saqueada e destruída pelas forças mongóis em questão de poucos dias. Toda a população foi morta ou vendida para escravidão – de acordo com estimativas mongóis, mais de 200.000 pessoas perderam a vida durante o assalto. A maioria dos edifícios da cidade também foi totalmente queimada, incluindo a Casa da Sabedoria e a Grande Mesquita.

2. Manila, Filipinas

A batalha de Manila durou de 3 de fevereiro a 3 de março de 1945, travada entre uma coalizão de forças americanas e filipinas rebeldes contra o exército de ocupação japonês. Embora toda a ocupação tenha sido brutal para os residentes da cidade, não foi nada comparada à escala de destruição vista durante a batalha de um mês.

A cidade foi fortemente bombardeada por aviões americanos na preparação para a batalha, e o combate urbano entre as forças japonesas e americanas deixou grande parte dela em ruínas. À medida que as forças japonesas recuavam, eles se engajaram em uma campanha de terror contra civis, enquanto estupravam, torturavam e massacravam supostos guerrilheiros em toda a cidade. Foi uma das maiores tragédias de toda a guerra, já que quase toda a cidade foi arrasado ao solo por via aérea ou artilharia bombardeamento. No total, cerca de 100.000 filipinos – a maioria deles civis – perderam suas vidas durante a batalha de Manila, tornando-se o segundo lugar mais devastado da guerra depois de nossa entrada seguinte.

1. Varsóvia, Polônia

Varsóvia foi a primeira capital a ser ocupada na frente europeia durante a Segunda Guerra Mundial. Foi um alvo primário para os nazistas devido ao seu grande povo judeu. população, já que a cidade abrigava muitas organizações políticas, culturais e religiosas judaicas proeminentes. Foi também uma das cidades mais rebeldes ocupadas pelos alemães, já que toda a ocupação foi marcada por pequenas e grandes revoltas de rebeldes poloneses armados, como o Revolta do Gueto de Varsóvia de abril de 1943.

Quando mais uma dessas rebeliões falhou no verão de 1944, adolf hitler ordenou que suas tropas destruíssem completamente a cidade. Segundo instruções específicas de Heinrich Himmler, “a cidade deve desaparecer completamente da superfície da Terra”, o que foi realizado com um grau assustador de eficiência nas semanas seguintes.

Quando o Exército Vermelho entrou em Varsóvia em janeiro de 1945, eles descobriram que todas as partes da outrora próspera metrópole foram queimadas ou destruídas com explosivos. Era um terreno baldio, com a maior parte de sua população morta ou deportada para um dos campos de concentração. Varsóvia ainda é lembrada como a cidade mais completamente destruída da guerra, talvez até de toda a história, como cerca de 85% dele foi totalmente apagado da existência.

Outros artigos que você pode gostar

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies